Os Zumbis do Mundo Real

serie-de-zumbi-na-globoEra um final de tarde abafado e quente, típico da primavera. Eu voltava andando pelas ruas quase desertas, enquanto ouvia All I Was do Tremonti, quando vi uma estranha figura vindo em minha direção. Era um sujeito de pele morena marcada pelo sol, cabelo todo emaranhado, roupas velhas, rasgadas e sujas de terra. Ele andava todo desengonçado, como se tivesse algum problema nos nervos, tinha a cabeça baixa enquanto soltava uns grunhidos estranhos; consta que exalava um cheiro horrível, como uma mistura de sujeira com álcool.

O sujeito mais parecia um zumbi vindo do seriado The Walking Dead.

Passou por mim sem notar minha presença. Virei-me para acompanhar aquele zumbi subir a Avenida Brasil e dobrar a esquina e perder-se em sua iniquidade.

Fiquei com aquela imagem na cabeça por algum tempo: o sujeito que o vício tinha transformado em zumbi. Talvez seja isso que acontece quando este demônio se apodera de nosso corpo. Temos nossa individualidade, nossos desejos, nossos valores e nossos medos arrancados e, em seu lugar, é colocado apenas uma coisa, a vontade torturante e inexorável de satisfazer-se com o nosso objeto de desejo, seja o álcool, o cigarro, as drogas, a religião ou a pessoa que desejamos.

Um ponto a se pensar sobre o vício é que ele é um comportamento que surgiu com a modernidade. Em sociedades pré-modernas, apesar de existir o consumo de ervas e substâncias que alteram a consciência, seu uso era fortemente controlado por normas sociais que não deixavam o indivíduo a deriva. Ele sentia que era parte de algo maior, que estava integrado num todo que o deixava seguro e integrado.

Agora, com o advento da ordem social moderna, a relação entre sociedade e indivíduo muda. Ele não está mais integrado por fortes laços numa ordem social estável. O indivíduo passa a ficar a deriva, sua biografia, seus valores e sua trajetória agora dependem de seu próprio esforço. Cabe a ele criar o seu próprio céu ou seu próprio inferno.

Sem embargo, o vício é uma tentativa de indivíduos desgarrados e desesperados para se conectar com algo maior, para encontrar o sentido onde não há sentido, para achar o acolhimento e segurança onde só há desordem, dor e decadência.

Aquele zumbificado que encontrei naquele sábado tinha encontrado o seu ponto de apoio numa sociedade injusta. Mas o preço ia sair muito caro para ele.

Nós temos o direito de julgá-lo?

Anúncios

Bem-vindos a Novíssima Velha República

06_debate-300x214A crise econômica e politica que tomou conta do país significou a quebra de um bloco histórico que se ergueu desde 2003 com a ascensão do Partido dos Trabalhadores a presidência. Agora o que temos diante de nós é a emergência de um novo período histórico, mas que carrega traços de períodos históricos anteriores.

Os últimos treze anos da república brasileira foram baseados no chamado neodesenvolvimentismo, com uma presença mais protagonista do estado na economia através do financiamento dos chamados campeões nacionais e numa relação obscura entre líderes governamentais e grandes empreiteiras, cujas relações com o estado remontam a década 1950 (saiba mais aqui); maior destaque para politicas de assistência social (veja mais aqui); atenção especial para o agronegócio por meio da defesa da exportação de commodities; ênfase em grandes obras de infraestrutura e a reatualização da ideologia do Grande Brasil; tentativa de criar um polo alternativo de poder, claramente terceiro mundista, na politica externa através da valorização dos BRICS; cooptação de líderes de movimentos sociais para a máquina do estado com o objetivo de arrefecer as mobilizações por direitos sociais objetivando criar a paz social necessária para investimentos externos; e, por último, e não menos importante, a Politica da Grande Conciliação, onde o governo federal, apoiando-se no grande desenvolvimento capitalista, conseguia, por assim dizer, equilibrar relativamente os antagonismos, num país de cinquenta milhões de miseráveis, ao conseguir incorporar parte deles na esfera do consumo à revelia de questões como a reforma agrária e a questão das populações tradicionais.

Mas vivemos na época do capitalismo mundial e qualquer equilíbrio ou conciliação tende a ser transitório. As contradições da nossa democracia liberal, sempre assediada pelo poder econômico e cada vez mais distantes do cidadão comum, refém das elites locais e do Grande Capital, alcançaram níveis que esgotaram, para o bem e para o mal, o subsistema político; a política de exportação de commodities, por sua vez, apresentou seu esgotamento, deixando as taxas de exportações claramente comprometidas; os altos índices de corrupção que eram trazidos a tona, numa época em que os valores da ética e da transparência se tornam quase um senso comum na subjetividade coletiva brasileira, terminaram por cavar o túmulo da Nova República.

Em outras palavras, os processos de desencaixe criados pela Modernidade Mundo fraturaram as estruturas de uma sociedade anômica, levando-a a um impasse entre dois caminhos: a conciliação pelo alto ou reformas de base vindas de baixo para cima.

Seguindo a tradição conciliatória entre grupos majoritários e nossa vocação para nos apegarmos a modelos tradicionais e superados, acabamos optando pela primeira opção.

Apesar de estarmos no início de um novo velho período, é possível traçar algumas linhas, ainda que de caráter impressionista, das suas principais características, conforme já disse o cientista político Christian Edward Cyril Lynch. Entre as principais está o esfacelamento da velha esquerda, que passará a adotar uma postura defensiva por anos ao perder continuamente a luta pelo domínio da narrativa dos caminhos do Brasil. Hegemonia politica da centro-direita, repartida principalmente entre os chamados liberais conservadores (saiba mais aqui). Declínio do nacional desenvolvimentismo; o Estado Nacional tenderá a passar sua tarefa de árbitro social para o Mercado. Também espera-se o esvaziamento de pautas relacionadas aos direitos humanos e às minorias, com o desvio de recursos antes direcionados para a assistência e desenvolvimento social para politicas de segurança de caráter claramente repressivo; o objetivo disso é combater manifestações populares contra medidas de economia politica do Novo Velho Governo e conceder a paz social necessária à reprodução dos investimentos externos, que terão menos regulação. Emergência de um parlamentarismo disfarçado, algo que já acontecia desde a vitória de Eduardo Cunha para presidência da Câmara em 2014, com uma maior força do parlamento sobre o executivo, significando que cada medida urgida pelo pseudo-presidente Michel Temer acarretará em cada vez mais cargos e emendas negociadas com a base parlamentar. Mais força do que Lynch chama de Mandarinato Jurídico, que exercerá um poder cada vez mais moderador e regulador da politica e das relações entre as esferas de poder, redundando numa judicialização dos conflitos políticos. Poderemos ver os golpes finais sobre o legado trabalhista de Getúlio Vargas com a aprovação de leis que deixarão os trabalhadores cada vez mais à deriva no mundo do trabalho; recebendo cada vez menos e tendo que produzir sempre mais, teremos uma maior incidência de doenças relacionadas aos locais de trabalho e queda do padrão de vida médio dos trabalhadores. Um fenômeno que já era comum, de pessoas tendo dois empregos e precisando trabalhar pelo menos doze horas por dia, tenderá a ficar cada vez mais corriqueiro.

Obviamente que, em se tratando de ciência politica, sociologia e processos macro-históricos, principalmente os que acabei de descrever, os caminhos nunca são lineares e os fenômenos e fatos sociais nunca mudam de maneira mecânica. Cada ator social neste feixe de forças (trabalhadores não qualificados ou semi-qualificados, classe média, elites judiciárias, politicas e econômicas, movimentos sociais progressistas e regressistas entre outros, impossível para os propósitos deste texto listar todos) tende a reagir aos movimentos de cada um e criar consequências, alianças e lutas muitas vezes imprevistas. Mesmo assim, é possível divisar um bloco liberal e conservador cujo caminho para aprovação das suas medidas num congresso de perfil homogêneo e avesso a mudanças terá pouca resistência.

Aos grupos progressistas, nos quais estou incluído, resta resistir nas ruas (e fazer o que for possível na esfera da politica formal e minimalista), mesmo sabendo que isso acarretará em mais repressão, prisões e mortes.

Mas penso que, em vez de ficarmos numa cantilena ingênua de Fora Todos ou qualquer outro slogan secundário e colateral, deveríamos iniciar a estratégia de contra-hegemonia sendo propositivos, mostrando ao trabalhador porque o projeto de esquerda na verdade nunca se esgotou, pois o que defendemos é a radicalização da democracia, da igualdade, da liberdade e da solidariedade.

O Inverno finalmente chegou e cabe a nós decidir se nos renderemos ou lutaremos contra os Vagantes Brancos que, na verdade, sempre estiveram ai desde a invasão europeia na América.

Bem-vindos à Novíssima Velha República. E que os Orixás nos protejam.

Macbeth e a Origem do Mal

208_Macbeth

Será que o vasto oceano de Netuno/Pode lavar o sangue destas mãos?/ Não; Nunca! Antes estas mãos conseguiriam/ Avermelhar a imensidão do mar/ Tornando rubro o verde.

De todas as peças que já li de Shakespeare, a minha favorita ainda é aquela que me fez entrar em contato com o universo shakespeariano, Macbeth, escrita entre os anos de 1603 e 1607.

É a peça mais curta do dramaturgo inglês e também a mais soturna, onde se tratam de temas como ambição, assassinatos, regicídios e as consequências dele no interior dos homens.

Encenada na corte do Rei Jaime I, da dinastia Stuart, começa com Macbeth vencendo a batalha contra o traidor Macdonwald. Em seguida recebe a visita de três bruxas, as Weird Sisters, e declaram que Macbeth será Thane de Cawdor, o título do traidor vencido, e posteriormente Rei. Tais profecias começam a mexer com o nosso protagonista quando ele recebe do rei o título de Thane. Então vemos uma luta interior do personagem entre a ambição de alcançar a coroa e o respeito por um rei piedoso, Duncan, a quem devia total lealdade.

A tentação do sobrenatural/Não pode ser nem má nem boa;/Se má, por que indica o meu sucesso,/De inicio, com a verdade? Já sou Cawdor;/Se Boa, por que cedo a sugestão /Cuja horrível imagem me arrepia?/E Bate o coração contra as estrelas,/Negando a natureza? Estes meus medos /São medos que o terror que eu imagino;/Meu pensamento, cujo assassinato /Inda é fantástico, tal modo abala/A minha própria condição de homem,/Que a razão se sufoca em fantasia,/E nada existe, exceto o inexistente.

Sucumbido pela ambição, o protagonista comete aquele que era considerado na época de Shakespeare o mais cruel dos crimes, o regicídio.

O caos realizou sua Obra-Prima!/O assassino sacrílego arrombou/O templo do Ungido do Senhor,/Roubando sua Vida!

Morto Duncan, Macbeth se torna Rei. Tomado pelos delírios de mais e mais poder, passa a assassinar qualquer um que possa representar uma ameaça a sua dinastia, não polpando nem mesmo crianças ou mulheres inocentes.

Na tragédia vemos o dramaturgo inglês explorando com maestria um assunto que o estava interessando naquele momento: o surgimento do Mal, como ele se manifesta e qual as consequências dele para a alma humana e para a constituição do Estado. O clima é sombrio do início ao fim e vemos constantemente mortes, sangue, blasfêmias e uma visão trágica e pessimista da vida.

A vida é só uma sombra: um mau ator /Que grita e se debate no palco,/Depois é esquecido; é uma história /Que conta o idiota, toda som e fúria,/Sem querer dizer nada.

Assistimos como um bom cidadão e um general leal ao seu Rei pode sucumbir à ambição e com isto enredar todo um mundo com ele, quebrando a ordem natural das coisas. Em outras palavas, vemos, lemos e sentimos o drama de um homem que subverte tudo e todos, gerando um enorme derramamento de sangue para poder suprir seu objetivo maior: o poder absoluto. É um círculo vicioso; para alcançar a soberania, Macbeth precisa matar, e para mantê-lo, ele também precisa executar sempre mais e mais suspeitos de traição. Isso gera uma rejeição cada vez maior entre os seus súditos, que gera mais suspeitas…

Exercer o poder se torna impossível, é uma tarefa inglória. Isso não é gratuito, pois para Shakespeare o mal surge quando a ordem do mundo é subvertida, no caso o poder legítimo do Rei Duncan, e a única forma de derrotá-lo seria fazendo com que todos voltassem a ocupar seus lugares legítimos no mundo social. Tal formulação é cara para um autor que viveu quando a Inglaterra vivia o auge do Absolutismo, mas os resquícios da era feudal ainda se faziam sentir. O debate sobre o lugar de cada um na sociedade e a questão da legitimidade das dinastias e das monarquias eram temas relevantes numa nação em que poucas décadas depois sofreria com uma Guerra Civil (1642-1649), com um rei decapitado, Carlos I, e o surgimento de dois dos mais influentes pensadores políticos da era moderna, Thomas Hobbes (1588-1679), defensor da soberania absoluta dos reis, e John Locke (1634-1704), um dos principais teóricos do liberalismo.

macbeth_fassbender
Michael Fassbender como Macbeth, em filme de 2015 dirigido por Justin Kurzel

Clássico indiscutível na literatura universal, Macbeth mostra os delírios de um homem incapaz de perceber as próprias limitações. Mostra-nos também um tema que seria debatido pela filosofia e pela sociologia. As consequências de nossas ações e nossas escolhas. Somos responsáveis por elas, muito embora, dependendo do caminho tomado, podemos levar todos a nossa volta para a ruína, podemos fazer o mundo ficar à revelia…

Muitas vezes, para levar-nos o mal,/As armas do negror dizem verdades;/Ganha-nos com Tolices, para trair-nos/Em questões mais profundas.

Na tragédia de Macbeth o Mal domina, os dias são cinzentos e as noites tenebrosas; a vida vale menos que nada; espíritos malignos sussurram profecias para confundir nossas mentes; é como um pesadelo, uma visão sombria da humanidade, a saga escura e sem propósito da condição humana.

Depois de ler Macbeth somos mudados para sempre: a vida é uma sombra que passa…

Bauman e o Mundo Moderno

Bauman
Zygmunt Bauman: o analista da modernidade.

Confesso que entre os grandes autores da sociologia, aquele que foi de fato o meu herói durante os tempos de graduação e durante boa parte do mestrado foi o sociólogo polonês Zygmunt Bauman. Uma das coisas que mais me fascinava na sua obra é a capacidade de analisar, a partir de uma perspectiva extremamente humanista e ao mesmo tempo crítica, a constituição, os potenciais, as contradições e dilemas do mundo moderno.

Um das primeiras obras que li foi Confiança e Medo na Cidade, em que o autor analisa como, na nova configuração das cidades no século XXI, prevalece a lógica da exclusão dos mais pobres em guetos e o encastelamento dos mais ricos em ilhas de riqueza.

Li também Modernidade e Ambivalência, uma obra extremamente densa, diga-se de passagem, onde, tomando como ponto de partida as reflexões da Escola de Frankfurt sobre o início da modernidade, propõe que a destruição dos judeus e de outras minorias por governos totalitários não era um fenômeno fora da curva do projeto moderno, mas algo inerente a ele, pois ao homogeneizar tudo e todos ao seu processo de reprodução e expansão contínua, aqueles que não pudessem se integrar seriam sumariamente eliminados.

Outra obra de destaque é Em busca da Política, um livro em que o autor discute o lugar das relações de poder na contemporaneidade, e alerta: o lugar da politica foi deslocado do estado para os grandes fluxos de capital, assim ela se distancia cada vez mais dos cidadãos, por isso está mais difícil a população influenciar ou mudar as trajetórias das politicas públicas. Como solução Bauman afirma ser necessário trazer a politica para o palco da Àgora (sociedade civil) e transformar problemas que a primeira vista parecem questões meramente pessoais em problemas sociais. Só assim poderemos recuperar a solidariedade perdida. Cabe mencionar uma critica pertinente que Bauman faz ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e sua suposta adesão a terceira via.

Por fim, Modernidade Liquida, uma obra onde ele condensa os principais problemas e temas de sua reflexão enquanto escritor e professor, apresenta um panorama geral da nova modernidade, iniciada no final do século XX, e a modernidade sólida, que durou até o fim da década de oitenta do mesmo século.

Zygmunt Bauman é um verdadeiro mestre, um pensador que reflete de maneira sensata e ponderada sobre os dilemas do mundo e que não precisa da polêmica para estar em evidência, pois sua genialidade como sociólogo e intelectual bastam para mostrar sua relevância.

Em tempos onde pseudo-economistas, músicos decadentes, jornalistas medíocres, atores pornôs e astrólogos posam de intelectuais e conseguem com isso um bom rebanho de incautos apoiadores, ler Bauman é quase um alento nesses tempos de ignorância coletiva.

Segue abaixo uma entrevista com ele realizada pelo programa Observatório da Imprensa.

Operator: uma instigante animação de terror.

Operator
Bob, personagem central de Operator: aterrorizado por estar numa situação absurda.

Dirigido por Sam Barnett, o stop movie Operator conta a história de Bob, um homem comum que trabalha numa fábrica. Num dia corriqueiro, enfurnado na sua sala de trabalho fazendo manutenção numa máquina qualquer, uma estranha substância entra no local e começa a roubar a individualidade daqueles que infecta. Inserido nessa situação aterrorizante, o protagonista deve lutar pela sua vida.

A inspiração de Barnett, foi:

(…) algumas idéias e conceitos, como cogumelos cordyceps, que infectam e controlam o comportamento de certas formigas, levando-os a subir o mais alto possível para que, quando os esporos do cogumelo finalmente se soltam da cabeça das formigas os esporos sejam espalhados, tão longe quanto possível pelo vento, e em segundo lugar, por “idéias parasitas” – tais como as ideologias projetados por cultos ou regimes opressivos com a intenção de enfraquecer e controlar os adeptos de tais crenças, e a mecanização insensível da burocracia corporativa, se alastrando em organizações superpoderosas, com tantas peças móveis e interesses conflitantes que nenhum ser humano dentro deste mundo tem controle real sobre o que ocorre.

Apesar da intenção do autor, vejo o curta como uma metáfora da alienação que assola o homem moderno. Inserido num local de trabalho onde o produto do seu labor e o ambiente onde ele o produz parecem-lhe completamente estranhos, ele passa a não reconhecer a si mesmo. Dentro desse contexto esmagador, que é uma verdadeira grade de ferro, ele perde a sua subjetividade e torna-se um bárbaro semi treinado, isto é, um simples reprodutor de tarefas sem emoções e sem subjetividade.

Curta Metragem incrível e de final fantástico.

O Mundo à Revelia: a verdade como objeto de luta

Estes tempos são tempos de caos; as opiniões são uma disputa; os partidos são uma confusão; ainda não foi criada uma linguagem para as novas ideias; nada é mais difícil do que dar uma boa definição de si mesmo em religião, em filosofia, em política. Sente-se, conhece-se, vive-se e, se necessário, morre-se por uma causa, mas não se pode denominá-la. É um problema desta época classificar as coisas e os homens… O mundo embaralhou o seu catálogo.

Lamartine (1790-1869)

As palavras de Lamartine nunca fizeram tanto sentido. Embora escritas no século XIX, elas traduzem muito bem os sentimentos de confusão, de vórtice, de torvelinho e de caos que caracterizam nossa época. Sem dúvida, vivemos num mundo onde as instituições, as relações, os indivíduos, e mesmo nossos valores mais importantes, se modificam a tal ponto que nos fazem sentir confusos, sem qualquer ponto de referência que possa nos dar uma sustentação.

A modernidade é o tempo em que nós somos deixados à deriva e onde somos forçados a tentar construir nossos próprios valores e a criar nossas próprias referências.

Num mundo onde as opiniões são uma disputa; os partidos são uma confusão, vivemos em volta de uma quantidade enorme de valores, crenças e correntes políticas tão numerosas quanto as estrelas no céu, que lutam constantemente entre si pela supremacia no mundo social.

No mundo moderno, a verdade se tornou um objeto de lutas.

Mas porque isso acontece?

As sociedades contemporâneas se desenvolveram de tal forma que, os indivíduos e grupos, ao ocuparem um lugar específico no mundo social, passam a gerar uma forma própria de ver o mundo.Os trabalhadores sem terra, os trabalhadores das indústrias, os sem teto, os empresários do agronegócio, os intelectuais, os imigrantes, a classe média, a grande e pequena mídia, ou seja, os indivíduos das mais diversas origens sociais geram as variadas formas de ver, pensar e problematizar o mundo; cada uma delas obedecendo a um grupo, coletividade, indivíduos e interesses diversos; cada um deles procurando sistematizar a autoconsciência de si mesmos para lutar pelo seus interesses.

Nossa época é a época da pluralidade de valores. Nenhum valor é mais importante ou mais verdadeiro que o outro. Nenhum está acima ou abaixo. Todos estes valores estão em luta e cabe a nós escolhermos quem serão nossos anjos e nossos demônios. A Verdade, ou seja, a verdade imóvel, absoluta em sua essência, integral, autossuficiente e eterna, nunca poderá ser apreendida por completo, pois no mundo líquido moderno ela sempre será opaca, impenetrável e irredutível à clareza humana.

Vivemos num mundo à revelia, onde temos um cardápio de valores e crenças as quais podemos escolher segui-las ou rejeitá-las. Nenhuma delas é absoluta, pois pode deixar de nos satisfazer ao primeiro sinal de revés. Podemos mudar de religião, de gênero, de corrente política ou de família; podemos mudar completamente o arsenal de nossos valores apenas para nos adaptarmos melhor a uma determinada situação. Afinal, um dos mais caros provérbios modernos é “seja tu mesmo” e o ser hoje é tão maleável e multiforme quanto podem ser os líquidos. No mundo da mudança, quem não está preparado para mudar conforme o cenário estará invariavelmente condenado à ruína, ou à morte. Ir sempre a frente é preciso, e aquele que não se move morrerá.

Vivemos num mundo à revelia, representamos uma peça cujo fim provavelmente será trágico.

Tempos de Extremismos

Vivemos numa época conturbada. Parece que as conquistas modernas como democracia, direitos humanos, liberdade e igualdade estão sendo postas em questão diante do processo de anomia no qual está imerso a sociedade brasileira.

A extrema concentração de renda, a corrupção de nosso sistema político, as altas taxas de violência nas áreas mais pobres, o caráter segregador de nossas cidades e a decadência do Estado nacional em tempos de globalização têm dado arrimo para a proliferação de um discurso de caráter profundamente antimoderno e antidemocrático, que se alastra na mentalidade do brasileiro médio. Elas são propagadas por uma grande parcela de jornalistas, políticos e polemistas. Entre os mais conhecidos estão os delírios de Rachel Sheherazade sobre as origens da violência urbana; o fundamentalismo de Bolsonaro que tem como panaceia reduzir a vida social à rotina rígida de um quartel; aos pesadelos anticomunistas de Olavo de Carvalho, que enxerga agentes da KGB e Foro de São Paulo em todas as partes do Brasil e do mundo; ao sectarismo de Reinaldo Azevedo, o caçador de “petralhas”, para quem o Brasil é ruim unicamente pela culpa de Lula, do PT e do Estado e o liberalismo de gabinete de Rodrigo Constantino, que tenta encaixar a vida e o universo dentro da ideologia do deus mercado e da iniciativa individual. São estas e outras proposições que, defendidas por estes e outros polemistas, espraiam-se pelo debate público, compradas por uma grande parcela de indivíduos e que vai ganhando corpo, fundindo-se, entrando em metástase e formando uma representação coletiva própria, típica, fluida, mas ao mesmo tempo tangível o suficiente para ser comprovada empiricamente. Classifico-a de extremismo conservador.

Por ser uma ideia, ideologia ou representação social calcada no senso comum, o extremismo conservador não duvida ou questiona a si mesmo. Ele simplesmente apreende alguns fenômenos dispersos no corpo social, toma-os como lei da vida e enquadra-os em suas leis inexoráveis. Também não leva em conta as nuances sociais e históricas do mundo. Sua cosmologia é monista, petrificada, estanque, rígida. Não consegue interpretar a complexidade da vida. Ao invés de compreender e relacionar, precipita-se, julga e exclui.  È uma ideia profundamente a-histórica.

É bom frisar que este é um processo que não surgiu de um dia para o outro e muito menos é fruto de uma conspiração de forças terríveis que controlam o nosso mundo. Descarto completamente o discurso preguiçoso das conspirações. As contradições estruturais da sociedade brasileira têm alcançado níveis intoleráveis e são, portanto, a principal causa que tem dado as condições para a emergência de um extremismo conservador cuja mentalidade despreza as conquistas democráticas e civis trazidas pela modernidade. Na verdade, para esta representação, é como se a própria modernidade fosse a causadora dos conflitos sociais de que padece o Brasil.

Tornou-se moda dizer que bandido bom é bandido morto, que a pobreza é resultado da preguiça, que políticas de assistência social são humilhação, que a solução para a violência é reduzir a maioridade penal, instituir a pena de morte e que todos os problemas do país são culpa do PT. Não nego que este governo tem sérias deficiências, e todas devem ser apontadas, mas as pessoas confundem o que é ingerência do governo atual com deficiências estruturais que remontam séculos ou com consequências geradas pelas ações de administrações anteriores. Assim, o que está em voga hoje é apontar as soluções fáceis, apontar bodes expiatórios e desconsiderar a multiplicidade causal de nossa situação atual. “Índio e quilombola não presta… Pobre é vagabundo… Criminosos estão abaixo de baratas… A solução é acabar com o Estado, colocar a pena de morte e instituir no Brasil uma constituição com valores cristãos… Abaixo a ameaça comunista!” Diz o fariseu típico ideal, que acredita que o mundinho onde vive, não maior que uma bolha de sabão, corresponde à totalidade da vida.

Sem embargo, a incapacidade de nossas elites intelectuais, políticas, econômicas e de nossa sociedade como um todo em criar um modelo de sociedade autônomo e menos desigual são a causa sui generis para o desfalecimento do contrato social brasileiro. Contudo, ao invés de lutarmos para criar os fios que possam unir as partes de uma sociedade em frangalhos, cultivar os ideais modernos de democracia, igualdade e fraternidade, preferimos optar por seguir um sentido contrário; negar os valores mais caros e construtivos de nossa época e dar uma volta para trás, acreditando que a implantação de uma ditadura, a criação de um Estado policial ou a cassação completa dos direitos civis seriam capazes de reconstruir a solidariedade social.

Mas esse caminho só vai aprofundar ainda mais as contradições estruturais de nossa sociedade, aumentará a violência e o caminho para a desagregação social completa será inevitável. Será como repetir em forma de farsa os tempos tenebrosos das monarquias absolutistas e das ditaduras civis militares com seus abusos e torturas, quando muitos eram presos e julgados por motivos simplesmente arbitrários.

Muitos não percebem que a culpa de nossas distorções sociais não se deve à democracia, às liberdades civis ou aos direitos humanos, mas justamente à falta deles. O processo de modernização brasileiro sempre foi desigual e combinado. Nunca beneficiou a totalidade da população. Nunca levou em conta os de baixo e os que não podiam se adaptar a ele. A modernização brasileira no decorrer da historia sempre teve caráter excludente, uma espécie de darwinismo social mesmo, onde os mais fracos eram simplesmente eliminados, postos para fora da dança civilizacional ou simplesmente incluídos à força, sem levar em conta suas especificidades. A história da civilização brasileira é a história sistemática de assassinatos, roubos, genocídios e espoliação dos mais frágeis.

Enquanto muitos acreditam que instituir a vingança, a barbárie, o revanchismo e a luta de todos contra todos vai transformar o Brasil num paraíso, eu prefiro acreditar na justiça, na igualdade, na fraternidade, na racionalidade da república e no fortalecimento da solidariedade social. Cabe aos progressistas e aos defensores do pensamento crítico levantar essa bandeira.

 Antidemocráticos, antimodernos e extremistas em geral não passarão.