Por que o Império Brasileiro Caiu?

200px-Delfim-pedroII-MHN
Dom Pedro II

Muito se tem discutido sobre a questão do fim da monarquia e o caráter golpista do movimento que redundou na Primeira República Brasileira. Militantes monarquistas e a dita família “real” atentam para o caráter antinatural do regime de 1889 que seria corrupto e sujeito à golpes; defendem que a forma de governo monárquica seria a melhor e mais adequada para o Brasil (veja aqui).

As filiações intelectuais destes partidários são Gilberto Freyre, ao afirmar que a monarquia combinava muito bem traços aristocráticos com traços democráticos; Oliveira Vianna, que louvava os conservadores do Império e era crítico feroz dos liberais e da Primeira República; Amoroso Lima, para quem o golpe de 1889 quebrou todo sentido de ordem e hierarquia no Brasil e, por fim, Plinio Corrêa de Oliveira, militante católico e ultramontano.

Já os republicanos, muitos destes hoje identificados com o liberalismo progressista, com a social democracia e com as esquerdas, afirmam que o Império era deslocado das necessidades do país, elitista, teocrático e inflexível. Tudo que os valores de democracia popular se contrapunham.

Os republicanos apoiam-se em leituras de autores como Sérgio Buarque de Holanda e Raymundo Faoro. O primeiro afirma que o regime monárquico teria caído de podre, devido a sua vinculação ao escravismo, sustentado por uma elite inculta e incapaz de enxergar além das suas necessidades mais urgentes. Faoro, por sua vez, identifica a Monarquia como um regime pesado, onde o estamento burocrático impedia-o de liberar a sociedade e acompanhar o capitalismo mundial.

Entre as numerosas leituras que abarcam dados, narrativas e teorias interessantes sobre o fim do Império, tanto a favor quanto contra, acredito que há um texto que podemos refletir sobre isso de maneira sensata, intitulado Necessidade, Contingência e contrafactualidade: A queda do Império Reconsiderada, de Christian Edward Lynch, temos ai uma boa chave para procurar compreender e interpretar os acontecimentos de 1889.

Os últimos vinte anos do Império (1870 -1889), conforme aponta o autor, foram anos de intensa mudança social. Não havia mais a preocupação de manter o território unido e sufocar revoltas separatistas, mas de adaptar o sistema político à formas mais decentralizadas e que dessem mais autonomias às províncias. A população tinha triplicado e a urbanização começava a ganhar força, mesmo que tímida. Os avanços nas tecnologias das comunicações tornavam as regiões do país mais próximas. A modernização também levou a população a uma consciência do seu atraso e tornou-a mais propensa a novidades. As províncias do nordeste entravam em decadência e as do sul e sudeste ganhavam cada vez mais importância no Império. A classe média estava ganhando força com o aumento do número de profissionais liberais.

Dentro deste quadro de mudança social e insatisfação com o regime centralizador forjado pela elite conservadora do Império na década de 1840, os liberais começavam a criticar a inércia brasileira e defender um modelo com menos Estado capaz de desenvolver o país. A criação do habeas corpus, a independência da judiciário e a reforma eleitoral também tomavam conta da agenda reformista brasileira.

Outro ponto importante apontado por Lynch foi a abolição, que absolveu grande parte da agenda política na década de 1880. As fugas em massa dos escravos, os movimentos sociais em prol do fim da escravidão e as pressões externas sinalizavam que o Brasil precisava se adequar à nova fase do capitalismo, o que aumentava a polarização na sociedade e submetia o poder político a um desgaste nunca antes visto. Nesse clima, o papel imparcial e arbitral da coroa passou a ser severamente criticado.  Quando a Coroa tomava uma medida em prol dos abolicionistas, era atacada pela lavoura escravagistas, quando o Imperador tomava uma medida em prol da grande propriedade, era a vez dos progressistas criticarem a monarquia. Se antes Dom Pedro II tinha uma estratégia conciliatória, sempre procurando satisfazer grupos divergentes, agora essa característica era vista como um problema tanto para um quanto para outro grupo, que procuravam trazer a Coroa para a sua causa.

O liberalismo “cientifico” de viés autoritário começava a ser uma ideologia da moda a época e parte de imprensa já postulava que, para acabar com a corrupção e desemperrar o Estado, uma ditadura militar seria útil.

Do ponto de vista externo, além do isolamento diplomático causado pela escravatura, a emergência dos Estados Unidos e a consolidação da república francesa fizeram com que parte da opinião pública admitisse que a monarquia não era o único regime possível de dar certo.

O nascimento do movimento republicano brasileiro na década de 1870 também vinha apresentar mais uma crítica ao modelo da Carta Magna de 1824. A ideologia do regime monárquico postulava que o país era basicamente descendente de Europeus, com a vinda de portugueses para cá a partir de 1500. O modelo de inspiração britânico, com mudanças lentas e graduais era o mais recomendado.

Por outro lado, os republicanos diziam que manter a monarquia era manter um modelo alheio a nossa formação. Nosso povo não era branco, mas mestiço. Não era europeu, mas americano. O Brasil deveria cumprir seu destino adotando formas de governo condizentes com sua realidade; não um regime aristocrático, mas um regime democrático, isto é, uma republica federalista de inspiração norte-americana.

Essas ideias tiveram grande impacto na vida política brasileira, continua Lynch. Republicanismo, liberalismo, positivismo e evolucionismo causavam grande impacto num país ainda novo, independência ocorrida em 1822, e sem tradições longevas. Estas ideias eram tomadas como a mais pura expressão da modernidade; o país deveria adotá-las se quisesse sair do atraso.

Levando em conta o crescimento do descontentamento no exército com relação ás más condições dos soldados, o crescimento da crítica ao poder moderador que acabou se tornando uma crítica à própria monarquia, e a debandada dos grandes proprietários escravagistas para a causa republicana depois da abolição, acabou criando um clima propicio para que ocorresse a quartelada daquele 15 de novembro, articulada por uma parte ínfima das forças armadas e por alguns membros de um movimento republicano que não tinha nem forças nas urnas e nem lastro social, visto que Dom Pedro II gozava de ampla aceitação popular.

Como homem de esquerda e socialista, não acredito em Monarquias e nem em privilégios nobiliárquicos, contudo, penso que o Império não estava fadado a cair e nem era um regime incapaz de se adaptar aos novos tempos. A Coroa, já a partir da década de 1870, como explica Lynch, tinha se tornado um sujeito ativo da modernização, propondo a implementação de reformas judiciárias, a descentralização do Poder, a instituição do trabalho livre e a defesa de uma reforma agraria para os negros libertos, processo este que fora abortado pelo Golpe de 15 de Novembro e a instituição de uma república federativa oligárquica.

O Regime caiu porque estava se adaptando aos novos tempos e modernizando a sociedade, o que enfureceu a grande lavoura escravagista, principal apoiadora do regime e sempre zelosa com seus privilégios.

Assim, nosso modelo político deixava de ter uma face europeia, anglo saxônica, para adotarmos o federalismo norte-americano, não sem graves consequências.

Pessoalmente, comungo da opinião de Joaquim Nabuco sobre o tema. O Império com seu Poder Moderador era a única fonte institucional capaz de organizar uma sociedade imatura e cujos senhores de terras, com sua demofobia e autoritarismo, tomariam o Estado para si e legislariam em causa própria, o que de fato ocorreu com a República Federativa Oligárquica (leia aqui).

Mas isso não tira, ao meu ver, a crítica à atuação de Dom Pedro I e II e nem daquela que seria Izabel I. O Império prometeu introduzir o trabalho livre mas demorou décadas para implantá-lo, apenas o fazendo quando a situação já estava insustentável. Se propôs a modernizar a sociedade brasileira com quase vinte anos de atraso, quando poderia tê-lo feito já em 1860. Foi um dos responsáveis pela Guerra do Paraguai, um dos episódios mais vergonhosos da história do continente. Cometeu genocídio étnico contra povos autóctones da Amazônia com a Lei de Terras de José Bonifácio e os mais de trinta mil mortos na repressão covarde da Cabanagem. Pedro I era incapaz de governar e acabou por sendo responsável pelo fim da única pessoa capaz de pensar o governo e efetuar a formação do estado nacional brasileiro a longo prazo: a Imperatriz Leopoldina. Izabel era extremamente católica e sempre pedia conselhos de padres antes tomar uma decisão; num ambiente de modernização e separação entre a esfera pública e religiosa seria extremamente incompatível e poderia causar mal-estar entre os ministros; já vimos o fanatismo religioso ter força na Rússia Imperial do século XX e sabemos qual foi o fim. Pedro II não soube lidar com a questão do exército e poderia ter acabado com o golpe militar de 1889 se tivesse resistido, isso faria a monarquia existir até pelo menos até 1930, quando a Ruptura Oligárquica de Getúlio Vargas com seu ímpeto centralizador e industrializante com certeza varreria tudo para o passado da história.

Não sou monarquista. Contudo, procuro compreender e entender porque o fenômeno em prol da coroa ganhar força nos últimos tempos; algo completamente previsível que num momento de questionamento e desencanto com a ordem política vigente os homens se voltem para um passado supostamente perfeito e harmônico. Entretanto, acho que apelar para a restauração de um velho sistema de governo não vai resolver nossos problemas. O movimento monarquista hoje parece muito mais uma caricatura de si mesmo, verdadeiramente nossa versão do sebastianismo, onde esperamos que um pai benevolente e de mão forte venha resolver nossos problemas e curar nossas dores (leia aqui).

O Império está no passado. Cuidemos de melhorar nossa República.

Anúncios

Porque Me Tornei Agnóstico

150px-Agnostic_Question_Mark.svgFoi aos dezoito anos que abandonei a religião de meus pais e a tradição da minha família. Cheguei a conclusão de que, devido à grande complexidade do mundo, à variedade das suas culturas e sociedades, e à grandeza insondável do universo, o deus que nós imaginávamos era apenas uma explicação grosseira para responder a perguntas muito difíceis.

De onde viemos? Para onde vamos? Como foi o início de tudo?

As respostas que eu sempre ouvia do pastor enquanto estava sentado no banco da igreja muitas vezes me causavam mais dúvidas do que certeza. Por que deus, se era tão perfeito, ia criar o mundo e pôr o homem nele se ele já sabia que o homem o desonraria? Se deus é amor e é tão bom, porque ele deixa que tanto mal e tanta escuridão tome conta do mundo? As respostas que sempre me davam desde a infância nunca me convenceram totalmente. Assim como José Saramago, eu não queria acreditar, eu queria saber…

Eu via pessoas ao meu lado experimentando a suposta graça divina, e perguntava porque eu não experimentava a mesma sensação da existência de deus. As respostas que recebia eram reprimendas:

Você precisa acreditar, Ricardo… Você não tem fé suficiente…”

E eu ficava sempre triste, confuso e cheio de culpa. Lembro-me quando fiz minha profissão de fé e aceitei Jesus Cristo, o fiz muito mais por medo de queimar no fogo do inferno que por um sentimento de graça recebida.

Eu via todas as religiões do mundo defendendo seus deuses e seus ritos com igual tenacidade e todas estas divindades servirem de desculpas para os homens cometerem loucuras e matarem uns aos outros.

Logo percebi que toda sociedade cria seus próprios deuses, seus próprios dogmas e usa as religiões como um alicerce de segurança contra a desintegração social. Também notei que muitos agrupamentos humanos usavam estas religiões para que alguns continuassem se dando bem em cima de outros…

Foi o homem quem criou um Ser e nele projetou tudo aquilo que nós temos de bom e de ruim.

Se Deus existe, coisa que é bem improvável, ele talvez seja completamente diferente da forma como as sociedades, os profetas e os indivíduos idealizaram.

A noção que temos de deus, bem como os valores e tradições que defendemos como os únicos e definitivos, nada tem de absolutos, são um reflexo do nosso tempo histórico, uma forma que os homens encontraram para dar sentido a uma coisa sem sentido, que é a nossa existência na terra. Cabe a nós, em nossa relação uns com os outros, com quem amamos ou com quem odiamos, criar nossa própria biografia, nosso próprio arsenal de valores e seguir o caminho das pedras e dos espinhos, nunca sucumbindo ao mar desesperador e escuro que nos faz perder a humanidade. Nossa vida, sendo uma dádiva ou um acaso do universo, é um bem pelo qual vale a pena lutar, um bem pelo qual vale a pena preservar. Cabe a nós viver uns pelos outros, apoiando uns aos outros, pois nossa humanidade só existe quando nos relacionamos.

Se existência não tem sentido, então vamos dar sentido a ela cultivando os melhores valores já criados pela humanidade: a fraternidade, a igualdade e a liberdade.

Tornar-se agnóstico, na confortável incerteza de estar além do bem e do mal, tendo consciência de que tudo pode ou não existir, foi uma saída para sentir-me livre da culpa de não acreditar em deus ou em deuses e livre do medo da punição do pecado; foi como uma libertação para mim, como pôr um termo ao sofrimento de estar fazendo algo errado ou traindo um pai vigilante e punitivo…

Pois cada vez tenho mais certeza que, como disse Nietzsche, nossas crenças e tradições são humanas, demasiado humanas…

Perry Anderson – A origem das manifestações políticas

Em termos de dinâmica da ação política, você sempre precisa lembrar que provavelmente o material mais inflamável que existe é a injustiça.”

Em vídeo inédito, Perry Anderson, historiador e ensaísta político britânico, discute os motivos pelos quais as pessoas se engajam em manifestações políticas. Segundo Anderson, o que politiza e mobiliza as pessoas é a realidade em que as coisas pioram em vez de melhorarem. Não é a esperança de crescimento, mas sim o sentimento de injustiça.

A Inquisição Protestante

images

Muitos evangélicos falam da Inquisição Católica, mas poucos sabem sobre a Inquisição Protestante.

Alemanha

Bandos protestantes esfolaram os monges da abadia de São Bernardo, em Bremen, passaram sal em suas carnes vivas e depois os penduraram no campanário.

Em Augsburgo, em 1528, cerca de 170 anabatistas foram aprisionados por ordem do Poder Público. Muitos foram queimados vivos; outros foram marcados com ferro em brasa nas bochechas ou tiveram a língua cortada.

Em 1537, o Conselho Municipal publicou um decreto que proibia o culto católico e estabelecia o prazo de oito dias para que os católicos abandonassem a cidade. Ao término desse prazo, soldados passaram a perseguir os que não aceitaram a nova fé. Igrejas e mosteiros foram profanados, imagens foram derrubadas, altares e o patrimônio artístico-cultural foram saqueados, queimados e destruídos. Também em Frankfurt, a lei determinou a total suspensão do culto católico e a estendeu a todos os estados alemães.

O teólogo protestante Meyfart descreveu uma tortura que ele mesmo presenciou: “Um espanhol e um italiano foram os que sofreram esta bestialidade e brutalidade. Nos países católicos não se condena um assassino, um incestuoso ou um adúltero a mais de uma hora de tortura (sic). Porém, na Alemanha, a tortura é mantida por um dia e uma noite inteira; às vezes, até por dois dias; outras vezes, até por quatro dias e, após isto, é novamente iniciada. Esta é uma história exata e horrível, que não pude presenciar sem também me estremecer. “

Inglaterra

Seis monges Cartuxos e o bispo de Rochester foram sumariamente enforcados. Na época da imperadora Isabel, cerca de 800 católicos eram assassinados por ano e Jesuítas foram assassinados ou torturados. Um ato do Parlamento inglês, em 1562, decretou que “cada sacerdote romano deve ser pendurado, decapitado e esquartejado; a seguir, deve ser queimado e sua cabeça exposta num poste em local público”.

Suíça

O descobridor da circulação do sangue foi queimado em Genebra, por ordem de Calvino. No distrito de Thorgau, um missionário zwingliano liderou um bando protestante que saqueou, massacrou e destruiu o mosteiro local, inclusive a biblioteca e o acervo artístico-cultural.

Em Zurique, foi ordenada a retirada de todas as imagens religiosas, relíquias e enfeites das igrejas; até mesmo os órgãos foram proibidos. A catedral ficou vazia, como continua até hoje. Os católicos foram proibidos de ocupar cargos públicos; o comparecimento aos sermões católicos implicava em penas e castigos físicos e, sob a ordem de “severas penas”, era proibido ao povo possuir imagens e quadros religiosos em suas casas.

Ainda em Zurique, a Missa foi prescrita em 1525. A isto, seguiu-se a queima dos mosteiros e a destruição em massa de templos. Os bispos de Constança, Basiléia, Lausana e Genebra foram obrigados a abandonar suas cidades e o território. Um observador contemporâneo, Willian Farel, escreveu: “Ao sermão de João Calvino na antiga igreja de São Pedro, seguiram-se desordens em que se destruíram imagens, quadros e tesouros antigos das igrejas”.

Irlanda

Quando Henrique VIII iniciou a perseguição protestante contra os católicos, existiam mais de mil monges dominicanos no país, dos quais apenas dois sobreviveram à perseguição.

Escócia

Durante um período de seis anos, John Knox, pai do presbiteranismo, mandou queimar na fogueira cerca de 1.000 mulheres, acusadas de bruxaria.

O saque de Roma

O Saque de Roma foi um dos episódios mais sangrentos da Reforma Protestante.

No dia 6 de maio de 1527, legiões luteranas do exército imperial de Carlos V invadiram a cidade. Um texto veneziano, daquela época, afirma que: “o inferno não é nada quando comparado com a visão da Roma atual”. Os soldados luteranos nomearam Lutero “papa de Roma”. Todos os doentes do Hospital do Espírito Santo foram massacrados em seus leitos.

Os palácios foram destruídos por tiros de canhões, com seus habitantes dentro. Os crânios dos Apóstolos São João e Santo André serviram para os jogos esportivos das tropas. Centenas de cadáveres de religiosas, leigas e crianças violentadas – muitas com lanças incrustadas na região genital – foram atirados no rio Tibre. As igrejas, inclusive a Basílica de São Pedro, foram convertidas em estábulos e celebraram-se missas profanas. Gregorio afirma a respeito: “Alguns soldados embriagados colocaram ornamentos sacerdotais em um asno e obrigaram um sacerdote a conferir-lhe a comunhão. O sacerdote engoliu a forma e seus algozes o mataram mediante terríveis tormentos”.

Conta o Padre. Mexia: “Depois disso, sem diferenciar o sagrado e o profano, toda a cidade foi roubada e saqueada, inexistindo qualquer casa ou templo que não foi roubado ou algum homem que não foi preso e solto apenas após o resgate”. O butim foi de 10 milhões de ducados, uma soma astronômica para a época.

Dos 55.000 habitantes de Roma, sobreviveram apenas 19.000.
Os “Grandes Reformadores Protestantes” e o emprego da violência:

Lutero

Em 1520, escreveu em seu “Epítome”: (…) francamente declaro que o verdadeiro anticristo encontra-se entronizado no templo de Deus e governa em Roma (a empurpurada Babilônia), sendo a Cúria a sinagoga de Satanás (…) Se a fúria dos romanistas não cessar, não restará outro remédio senão os imperadores, reis e príncipes reunidos com forças e armas atacarem a essa praga mundial, resolvendo o assunto não mais com palavras, mas com a espada (…) Se castigamos os ladrões com a forca, os assaltantes com a espada, os hereges com a fogueira; por que não atacamos com armas, com maior razão, a esses mestres da perdição, a esses cardeais, a esses papas, a todo esse ápice da Sodoma romana, que tem perpetuamente corrompido a Igreja de Deus, lavando assim as nossas mãos em seu sangue?”

Em um folheto intitulado “Contra a Falsamente Chamada Ordem Espiritual do Papa e dos Bispos”, de julho de 1522, ele declarou: “Seria melhor que se assassinassem todos os bispos e se arrasassem todas as fundações e claustros para que não se destruísse uma só alma, para não falar já de todas as almas perdidas para salvar os seus indignos fraudadores e idólatras. Que utilidade tem os que assim vivem na luxúria, alimentando-se com o suor e o sangue dos demais?”

Em outro folheto, “Contra a Horda dos Camponeses que Roubam e Assassinam”, ele dizia aos príncipes: “Empunhai rapidamente a espada, pois um príncipe ou senhor deve lembrar neste caso que é ministro de Deus e servidor da Sua ira (Romanos 13) e que recebeu a espada para empregá-la contra tais homens (…) Se pode castigar e não o faz – mesmo que o castigo consista em tirar a vida e derramar sangue – é culpável de todos os assassinatos e todo o mal que esses homens cometerem”.

Em julho de 1525, Lutero escrevia em sua “Carta Aberta sobre o Livro contra os Camponeses”:

“Se acreditam que esta resposta é demasiadamente dura e que seu único fim e fazer-vos calar pela violência, respondo que isto é verdade. Um rebelde não merece ser contestado pela razão porque não a aceita. Aquele que não quer escutar a Palavra de Deus, que lhe fala com bondade, deve ouvir o algoz quando este chega com o seu machado (…) Não quero ouvir nem saber nada sobre misericórdia”.

Sobre os judeus, assim dizia em suas famosas “Cartas sobre a Mesa”: “Quem puder que atire-lhes enxofre e alcatrão; se alguém puder lançá-los no fogo do inferno, tanto que melhor (…) E isto deve ser feito em honra de Nosso Senhor e do Cristianismo. Sejam suas casas despedaçadas e destruídas (…) Sejam-lhes confiscados seus livros de orações e talmudes, bem como toda a sua Bíblia. Proíba-se seus rabinos de ensinar, sob pena de morte, de agora em diante. E se tudo isso for pouco, que sejam expulsos do país como cães raivosos”.

Em seus “Comentários ao Salmo 80?, Lutero aconselhava aos governantes que aplicassem a pena de morte a todos os hereges.

Melanchton, o teólogo luterano da Reforma, aceitou ser o presidente da inquisição protestante, com sede na Saxônia. Ele apresentou um documento, em 1530, no qual defendia o direito de repressão à espada contra os anabatistas. Lutero acrescentou de próprio punho uma nota em que dizia: “Isto é de meu agrado”. Convencido de que os anabatistas arderiam no fogo do inferno, Melanchton os perseguia com a justificativa de que “por que precisamos ter mais piedade com essas pessoas do que Deus?”

Calvino

Em seus “Institutos”, declarou: “Pessoas que persistem nas superstições do anticristo romano devem ser reprimidas pela espada”. Em 1547, James Gruet publicou uma nota criticando Calvino e foi preso, torturado no potro duas vezes por dia durante um mês e, finalmente, sentenciado à morte por blasfêmia. Seus pés foram pregados a uma estaca e sua cabeça foi cortada. Em 1555, os irmãos Comparet foram acusados de libertinagem, executados e esquartejados. Seus restos mortais foram exibidos em diferentes partes de Genebra.

Zwínglio

Em 1525, começou a perseguir os anabatistas de Zurique. As penas iam desde o afogamento no lago ou em rios, até a fogueira.

Protestantes versus Protestantes

Os reformadores também lutavam entre si..

Lutero disse: “Ecolampaio, Calvino e outros hereges semelhantes possuem demônios sobre demônios, têm corações corrompidos e bocas mentirosas”. Por ocasião da morte de Zwínglio, afirmou: “Que bom que Zwínglio morreu em campo de batalha! A que classe de triunfo e a que bem Deus conduziu os seus negócios!”, e também: “Zwínglio está morto e condenado por ser ladrão, rebelde e levar outros a seguir os seus erros”.
Zwínglio também atacava Lutero: “O demônio apoderou-se de Lutero de tal modo que até nos faz crer que o possui por completo. Quando é visto entre os seus seguidores, parece realmente que uma legião o possui”.

Acerca da Reforma, disse Rosseau: “A Reforma foi intolerante desde o seu berço e os seus autores são contados entre os grandes repressores da Humanidade”. Em sua obra “Filosofia Positiva”, escreveu: “A intolerância do Protestantismo certamente não foi menor do que a do Catolicismo e, com certeza, mais reprovável”.

Texto original de Marcelo “Druyan” Esteves.

Fonte: deldebbio.com.br/2009/02/16/a-inquisicao-protestante

Ditadura Nunca Mais

  Com a desculpa de livrar o Brasil de uma ditadura comunista, a alta cúpula do exército, setores da classe média, a elite agrária, financeira e industrial derrubaram um governo democraticamente eleito. O resultado foi levar o Brasil a um período de censuras, violações dos direitos humanos e toda sorte de barbáries cujo o fim era tão somente manter uma ordem supostamente justa. Como é possível livrar-se de uma suposta ditadura sanguinária impondo outra igualmente sanguinária? Me parece que muita gente que clama pela volta daqueles anos não aprendeu ou não quer aprender algo sobre as lições da história…

 

Amazônia, Estado e Capital Internacional

O processo de inclusão da Amazônia na realidade brasileira e mundial possui uma dinâmica descontínua, repleta de avanços e recuos, onde seus fios de ligação com a conjuntura brasileira e internacional tornam-se, dependendo do momento histórico e do arranjo das forças dominantes, mais fortes ou mais tênues, cujo inicio remonta à chegada dos europeus no continente americano, quando ela passa a integrar o comercio mundial, fornecendo as chamadas drogas do sertão — produto muito valorizado na Europa.

A partir do inicio do século XIX e inicio do século XX, a região passa a ter um importante papel no desenvolvimento do modo de produção capitalista em sua etapa fordista/taylorista — é o esteio daquilo que Zygmunt Bauman chama de modernidade sólida — ao fornecer goma elástica não processada para o mercado internacional. Quando a região perde concorrência para o látex asiático, seu principal modo de produção perde impulso e sua relevância econômica na política nacional e internacional se retrai drasticamente, mas seus laços com o resto do país não desaparecem por completo — o fornecimento de látex para o mercado nacional ainda exista, embora bastante rarefeito.

Na década de 1960, a região passa a ter um dos maiores e mais dramáticos projetos de desenvolvimento regional de sua história: a Operação Amazônia. A partir daí, a estagnação econômica que enfraquecia a comunicação da região com as esferas nacionais e globais quebra-se com o implemento de grandiosos empreendimentos transnacionais, fruto de articulações políticas entre as elites locais, nacionais e internacionais, cuja intenção era tornar a Região Amazônica, considerado até então como um grande espaço vazio, num palco adequado na reprodução do capital. O Governo autoritário criou todo um ambiente propício para a vinda de empreendimentos agrícolas, mineradores e industriais que definitivamente ligam a Amazônia ao capitalismo nacional e transnacional, por meio de uma dependência considerada pelas autoridades da época como real e necessária. Uma das maiores conseqüência deste novo paradigma de inserção do Hiléia Amazônico na conjuntura global foi o deslocamento de um contingente de milhares de pessoas de todas as partes do Brasil, especialmente do nordeste.

A operação Amazônia, enquanto um exercício de economia política do estado autoritário, está diretamente ligada à ideologia Autoritária Modernizante, estudada por Luis Carlos Bresser Pereira no texto: “Seis interpretações sobre o Brasil”, de 1982. Foi um projeto idealizado por Golbery de Solto e Silva e por Roberto Oliveira Campos nos anos cinqüenta (enquanto o primeiro lança um livro chamado Aspectos “Geo políticos do Brasil”, em 1952, o segundo tentava conciliar uma ideologia do desenvolvimento com uma ideologia da segurança), ambos integrantes da escola superior de guerra. Tornou-se o sistema de pensamento hegemônico no Brasil a partir do golpe de 1964, resultado de uma aliança entre capital internacional, tecnoburocracia militar e civil, da burguesia agro-exportadora e da burguesia industrial.

Acredita-se que a criação desse projeto se deva ao General presidente Humberto de Alencar Castelo Branco (1964-1967) que, ao ter sobrevoado a Amazônia num avião, teria cunhado a frase: “Uma terra sem homens para homens sem terra.” Mas o presidente estava redondamente errado. A Amazônia não sofria e nunca sofreu com o suposto vazio demográfico, pois antes da chegada dos grandes empreendimentos agrícolas e industriais e dos milhares de migrantes nordestinos que seriam usados como de mão de obra, já havia aqui dezenas de tribos indígenas, posseiros descendentes dos seringueiros nordestinos que vieram para a região entre os anos de 1880 e 1920, povoados que formaram-se a partir de antigos quilombos ainda na época do império e uma considerável população ribeirinha descendentes de indígenas que exercia uma agricultura e uma pesca de subsistência.

O grande problema é que os tecnoburocratas civis e militares que planejaram e executaram a Operação Amazônia não levaram em conta as necessidades destas populações e nem as peculiaridades ambientais da região. O resultado foi o genocídio de dezenas de etnias indígenas e a expulsão de outro tanto contingente populacional que não se encaixava no novo modelo desenvolvimentista. Zygmunt Bauman no livro Modernidade e Ambivalência, ao discorrer sobre as raízes sociais dos estados nacionais e suas implicações para as culturais locais, afirma que uma das principais características do Estado, em condições de Modernidade Sólida, é a eliminação de todo e qualquer traço cultural que não se encaixe no seu modelo de desenvolvimento. A homogeneização cultural e social deveria ser o pré-requisito fundamental para a supremacia do capital e do Estado. O dramático processo de estupro social e étnico a que foram submetidas às populações tradicionais na Amazônia, estão diretamente ligadas a esse contexto em que a idéia do Estado Nacional, como um grande jardineiro social, deve-se extinguir toda ambivalência. Todos os grupos sociais que não pudessem ser aproveitados pelo capital ou não servissem para a consolidação do estado deveriam ser eliminados como se elimina ervas daninhas de um jardim — trata-se apenas de retirar aqueles que estão no caminho do sistema.

No inicio do século XXI, com o fim da guerra fria, e a conseqüente esgotamento do modo de produção taylorista/fordista que sustentavam a modernidade sólida, começa a tomar corpo formas organizacionais chamada por muitos especialistas de produção flexível, cuja ênfase não está mais na produção, mas na pesquisa e na inovação tecnológica. Também ocorre uma reorganização do esquema político internacional, com o esgotamento da liderança político econômica dos E.U.A, da crise dos estados nacionais e do surgimento de novas formas de organização política que passam a agir paralelamente ás instituições públicas. O sociólogo inglês Ulrich Beck chama este novo fenômeno de Sub-política — a volta dos indivíduos a vida publica.

Em termos de Amazônia, isso significa que o capital nacional e internacional encontram novas formas de ocupar a região, bem como o surgimento de dezenas de movimentos sociais criados pelos mesmos grupos sociais outrora perseguidos pelo Estado Jardineiro e suas políticas homogeneizadoras. Estes grupos, agora organizados e conhecedores do funcionamento das políticas publicas, passam a reivindicar o reconhecimento pelo estado e pela sociedade a legitimidade de suas demandas e de sua própria existência enquanto grupo social. Estes novos grupos, organizações indígenas, pequenos agricultores, partidários de religiões de matriz africana, homossexuais, prostitutas e outras organizações em prol dos direitos humanos em geral, à revelia do grande e lento organismo que se tornara o aparelho estatal, passam a influenciar a agenda de formulação de políticas públicas — o antropólogo Marshall Sallins chama este fenômeno de autoconsciência cultural.

A Amazônia, agora, passa a ser vista pelo Brasil e pela comunidade internacional não mais como uma fronteira que precisa ser ocupada via industrialização com insumos estrangeiros, mas como uma fronteira bio genética que deve ser compreendida, catalogada e transformada num produto no mercado internacional. Assim, os novos empreendimentos — não mais industriais, e sim de pesquisa — aqui se instalam através de uma aliança entre as elites locais, a revelia do obsoleto Estado nacional, e entre alguns movimentos sociais para melhor exploração de suas riquezas genéticas.

È possível perceber que as formas de inserção da Amazônia, no cenário internacional e nacional obedeceu, e ainda obedece, á diversas etapas de um processo descontinuo que, iniciada no período colonial, sempre esteve em sintonia com as demandas do capital mercantil no período colonial (enquanto fornecedor das drogas do sertão), do capital imperialista no período da borracha, do capital dependente e monopolista no período de implantação da Operação Amazônia (enquanto palco das políticas homogeneizadoras do Estado Nacional) e, finalmente, do capital flexível no século XXI, como fronteira biogenética.

A identidade da Amazônia está, portanto, umbilicalmente determinada às formas de como o capital e o estado brasileiro exploram seu espaço e reorganizam politicamente as forças sociais que nela habitam.

Amaldiçoado: A Vida e a Obra de Edgar Allan Poe (Parte I)

Dir-se-ia que a Natureza, e creio que isso já foi muitas vezes observado, torna a vida bastante dura àqueles de quem deseja extrair grandes coisas.

Charles Baudelaire

Tal assertiva do autor de Flores do Mal se encaixa perfeitamente na vida deste ilustre maldito da literatura mundial, o norte americano Edgar Allan Poe, autor do clássico poema O Corvo.

Na primeira metade do século XIX, época em que viveu Edgar Allan Poe, nos Estados Unidos, mesmo depois de décadas de sua independência, ainda estava lutando para se firmar como nação. O país recebia uma quantidade enorme de imigrantes europeus e asiáticos gerando uma grande variedade social e cultural. A conquista do oeste estava a todo vapor, efetuada pelos imigrantes que, sem oportunidades no leste, punham-se na conquista de novos territórios em carroças cavalos ou por via fluvial, expulsavam ou dizimavam as populações indígenas. As novas terras eram usadas para agricultura, pastagens e na procura de metais preciosos. As contradições sociais geradas pelo desenvolvimento do norte e do leste frente ao sul escravocrata fariam em breve o país entrar em guerra civil (1861-1865).

No plano literário, os Estados Unidos ainda não tinham se solidificado. Muito da produção cultural norte americana ainda seguia os modelos europeus, em especial o inglês. O que levaria ao escritor britânico Sydney Smith a dizer, em 1820, que a América, quarenta anos depois da independência, ainda não tinham dado nenhuma contribuição relevante para a arte ou para a ciência.

É neste contexto conturbado e de luta pela solidificação cultural e social que Edgar Allan Poe está inserido. Um dos principais fundadores da literatura americana e renovador das letras mundiais, sua obra pode também ser lida, tanto como a expressão de suas fobias e sofrimentos que teve em vida, como uma metáfora da conturbada sociedade em que viveu.     

Sua vida foi amarga, repleta de decepções e perdas. Nasceu em Boston em 1809 e faleceu em 1849, quando já tinha atingido plena maturidade literária. Perdera os pais ainda na infância, dois atores fracassados, vitimados pela tuberculose — o irmão também era tuberculoso, e a irmã, epilética.

Depois da morte dos pais foi adotado por um casal aristocrata de Richmond, chamados David e Elizabeth Allan. Entre os anos de 1815 e 1820, a família mudo-se para Inglaterra onde o pequeno Edgar estudou em instituições particulares de renome como Stoke Newington, em Londres, recebendo uma esmerada educação. Quando retornou a América, entrou na Universidade de Virginia, a mais aristocrática universidade do sul dos Estados Unidos, fundada por Thomas Jefferson.

Contudo, o clima burguês da instituição em muito desgostava o jovem Edgar. Os alunos seguiam hábitos extremamente austeros e puritanos. Exatamente o contrario da personalidade inquietante do poeta. Avesso a rotinas, detestando todo e qualquer convencionalismo da vida cotidiana, Poe entregava-se aos excessos de uma vida boêmia; bebia, blasfemava contra a religião e contra os valores morais mais caros aos burgueses da Universidade. A fama de devasso logo espalhou-se, chegando aos ouvidos das famílias dos alunos, o que acarretou inevitavelmente na sua expulsão. A noticia caiu como uma bomba na mansão dos Allan, deteriorando ainda mais a relação entre David e Edgar, que já vinham se desentendendo em virtude do vicio de jogo do futuro escritor.

Depois de passar um tempo servindo ao exercito, sob o nome de Edgar Allan Perry, ingressou na academia militar por influência de seu pai, mas acabou expulso por insubordinação.

Com este acontecimento Edgar e David nunca mais se falaram.

Sem qualquer perspectiva em Richmond, Poe vai para a sua cidade natal, Boston, na Nova Inglaterra. Onde passou a morar com sua Tia, a Senhorita Clemm e sua filha, Virginia Clemm, que em pouco tempo seria a esposa de Poe e grande amor de sua vida.

Para sobreviver colaborava em inúmeras revistas, onde publicou seus mais famosos contos, dava palestras e chegou a ser editor da Burton´s Gentleman Magazine e, mais tarde tornou-se sub-editor da Evening Mirror — mesmo assim a vida não era fácil para os escritores da época, e passou toda a sua vida adulta amargando uma vida miserável.

Com Virginia, foi morar numa pequena e destruída casa, onde o casal passava dias inteiros sem comer. Foi ali que sua amada esposa morreu tuberculosa, numa cama fétida sendo coberta apenas por um velho capote militar de West Point.

A morte da mulher em muito o afetou, e Poe, que já tinha problemas com álcool, começou a beber ainda mais. Alguns amigos, como Jonh Sartain, notou no escritor já alguns sintomas de desequilíbrio mental.

Túmulo de Edgar Allan Poe

Em setembro de 1849, encontraram-no desfalecido numa sarjeta de Baltimore, levado para o hospital, faleceu alguns dias depois balbuciando frases desconexas, entre as quais: “It´s All Over now, write Eddy is no more…”