The Walking Dead e as Origens do Governador

Num artigo anterior (leia aqui), mostrei que a fabulosa mitologia do apocalipse zumbi criado por Robert Kirkman é extremamente convincente, dramática, aterrorizante e profundamente complexa tanto do ponto de vista cênico quanto filosófico e sociológico. The Walking Dead é uma metáfora amarga do mundo em que vivemos e das consequências da modernidade. Ler os quadrinhos ou mesmo acompanhar o seriado é como ver a distopia de um mundo cruel, mesquinho e sem esperança.

Quando é convincente e complexa, toda trama ficcional apresenta amplas possibilidades de abordagens seja em novas histórias, seja em formas de aprofundar o enredo, seja em mostrar aspectos que não foram devidamente explorados pelo projeto inicial ou simplesmente em abordando as origens de personagens marcantes.

A universo de TWD, com seus milhares de personagens, tramas, sub tramas e várias comunidades e grupos humanos entrando em relação ou em guerra, demonstra uma ampla possibilidade para seu criador criar vários adendos na trama, seja com histórias paralelas que se entrecruzam e em dado momento se chocam, seja com dramas, trajetórias e provações de grupos e indivíduos que estão sob a tragédia do apocalipse zumbi.

O livro The Walking Dead: a ascensão do governador é um interessante exemplo disso. O romance conta a história trágica e curiosa do homem que se tornou um dos maiores, se não o maior, vilão de TWD e como ele se tornou o líder indiferente, devasso, imprevisível e cruel que vemos nos quadrinhos.

Depois de terem escapado de sua pequenina cidade no sul dos Estados Unidos, a pequeno grupo de trágicos viajantes, formado por Philip, Brian, pequena Penny Blake e os amigos Nick e Bobby, eles cruzam cidades, estradas, vales e colinas devastadas, enfrentam provações, sofrem frio, fome e são perseguidos por outros grupos que tentam matá-los. Tudo isso para conseguir um único objetivo, ficar vivos e encontrar um lugar que ofereça segurança num mundo devastado.

Com o decorrer da trama vamos percebendo como as desgraças e a tragédia do mundo vão agindo sobre os personagens, fazendo com que cada um deles interprete de uma maneira peculiar e encontre respostas que acreditam serem adequadas para seus próprios demônios e conflitos. O temperamento volúvel e cruel de Philip, que começou a se formar quando sua esposa faleceu e teve de cuidar de Penny como um pai solteiro, se acentua. As dúvidas existências de Nick ganham fôlego e ele se apega cada vez mais a religião. Brian Blake, por sua vez, que sempre foi um homem de temperamento frágil, piedoso e humano, se vê num grande dilema interno entre a brutalidade do mundo e sua incapacidade de lidar com ele. O que surge como saída para é a tentativa de manter, a todo custo, a união do grupo, pois é a única forma de, na sua visão, não apenas ele, mas todos ali, se manterem a salvo.

Diferentemente do grupo de Rick Grimes que, apesar das perdas, conseguiu se manter unido e conservar um sentimento de coletividade e de humanidade, o mesmo não se pode dizer dos personagens principais deste livro, cujos acontecimentos vão distanciando-os cada vez mais, moldando-os de tal maneira que a convivência em sociedade parece se tornar um possível.

Vemos que o Governador não foi sempre este líder perverso que vemos nos quadrinhos, mas um homem com o espírito atribulado que, deparando-se com o fim da civilização e com a emergência do estado de guerra de todos contra rodos, escolheu não a humanidade e o companheirismo, mas a crueldade e a indiferença. Uma de suas falas no livro mostra de forma explicita essa escolha:

“Para sobrevivermos, devemos ser mais cruéis que essas coisas…”

Embora do ponto de vista estilístico a obra não apresente grandes atrativos por ter uma prosa muito leve e direta, como são todos os romances comerciais, a história escrita por Robert Kirkman e Jay Bonansinga é muito bem construída, prendendo o leitor logo na primeira frase. Nisso conserva o mérito da história. Não há grande força estética, mas o caráter direto e bem construído da prosa, como se fosse uma reportagem, fazem do livro um belo passatempo e uma horripilante história de terror.

È uma história onde as cenas mais chocantes e dramáticas são descritas em toda a sua riqueza, sem deixar nenhum detalhe de fora e sem nenhuma concessão, o que pode deixar alguns leitores mais sensíveis impressionados.

Recomendado para todos os fãs de The Walking Dead ou para amantes de historias de zumbis em geral.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s