Por que só agora? As manifestações, o Estado e a globalização: esboço de uma análise.

Uma das maiores falácias da grande mídia e de alguns colunistas conservadores foi rotular os manifestantes, logo no inicio dos protestos, de vândalos. Essa tentativa de criminalizar uma manifestação, como sempre foi tradição em nossa civilização, provém, na verdade, de uma visão conservadora da história, típica dos grupos hegemônicos, que consideram ser o consenso, a harmonia e a estabilidade os mecanismos da marcha histórico. Nada mais falso. Ver o processo histórico dessa maneira é descontextualizar por completo a dinâmica das sociedades e não por em relevo a importância das contradições e jogos de força que estão se enfrentando pela liderança da civilização. O mecanismo que faz a história mover-se é o conflito, a dissenção a disputa por posições nesse palco chamado sociedade.

“Viva a crise!” Já tinha dito Alain Tourine. Marx, cento e cinquenta anos antes, também já tinha decifrado que a história de todas as sociedades era a historia da luta de classes; é das crises e dos conflitos e dos embates dialéticos que as contradições podem ser resolvidas e novos equacionamentos para as sociedades podem ser encontrados.

Mas por que há várias manifestações ocorrendo só agora? Quais as determinações sociais destas dezenas de protestos surgindo no país inteiro?

Vendo de uma perspectiva mais geral, há uma coincidência de elementos sociais determinados, desigualdades sociais, corrupção, falta de transparência que, combinados, tornou possível aflorar um sentimento de revolta contra essas deficiências estruturais e tornasse possível a reunião de um contingente tão grande de pessoas em tantas cidades brasileiras. Esse fenômeno ocorreria independente de quem estivesse na presidência, seja Dilma, Lula, FHC, Serra ou qualquer outro.

Em condições de alta modernidade, em que nosso mundo se torna cada vez mais complexo e fluido, encontramos uma sociedade cada vez mais segmentada tanto em grupos quanto em indivíduos. Os homens e mulheres da sociedade moderna encontram-se desencaixados e cada vez mais sozinhos; o Estado, a Igreja, a família, a escola e o sindicato não tem mais a capacidade de antes de fornecer amparo emocional e social aos homens e mulheres da sociedade moderna. A consequência disso é que cada vez mais nós estamos não apenas nos individualizando, mas também estamos nos inserindo em grupos, coletividade e minorias que, por sua vez, por estarem encaixados de uma maneira especifica na estrutura sistêmica da sociedade, possui uma maneira própria de ver o mundo, com demandas e visões das mais diversas.

Hoje, torna-se impossível falar em maiorias, no sentido linear do termo porque, todos nós, em ultima instância, estamos dentro de uma maneira ou de outra em alguma minoria. Um dos derivativos colaterais disso é o processo de diferenciação intenso e extenso, resultando numa nova solidariedade criada pela expansão do capitalismo global. Em outras palavras, em condições de alta modernidade os fluxos, dinâmicas e processos da sociedade civil se tornaram rápidos demais para uma instituição como o estado nacional acompanhar. È como se a maquina publica e a democracia não pudessem mais dar conta de tantas demandas vindas da sociedade civil. Sendo mais claro ainda: imagine que um programa de software que foi instalado num hardware que não tem memoria suficiente pra rodá-lo. Obviamente que a execução será insatisfatória.

Mas onde entra as manifestações nesse contexto?

Elas são o reflexo desse nível de pluralidade e diferenciação que a civilização brasileira chegou enquanto sociedade inserida nos processos e contradições da globalização; acrescente a isso as grandes deficiências sociais que se reproduzem desde que os intrépidos europeus invadiram o continente e teremos um ambiente pesado, de opressão, tendo os ingredientes globais necessários (como as manifestações contra as ditaduras no oriente médio dando o ambiente propicio) resultando num processo cumulativo de insatisfação popular que explodiria mais cedo ou mais tarde.

Estas manifestações, que tudo negam e desprezam, como toda explosão social, não são, e nem poderiam ser, pelo menos num primeiro momento, organizadas. Considero muito mais uma espécie de desabafo contra as seculares distorções de que padece nossa civilização. Dai a emergência desses exércitos de manifestantes, marchando sobre algumas das principais cidades brasileiras, cantando palavras de ordem sem qualquer agenda definida.

È ai que reside seu grande perigo.

O caráter plural, indefinido e fluido desses movimentos guardam a sua maior fragilidade. A falta de uma agenda definida faz com que essa massa disforme se torne vulnerável a manipuladores demagógicos que podem catalisar essa revolta para objetivos totalitários e conservadores. A única, ou uma das únicas maneiras de evitar esse retrocesso é que os movimentos sociais progressistas e democráticos se tornem a vanguarda do movimento e proponham uma agenda de propostas populares capazes de sanar, ou pelo menos amenizar as distorções da sociedade brasileira. As reformas de base, a luta pelos direitos humanos, a criação de dispositivos que tornem nossa democracia mais participativa e menos representativa seriam apenas algumas delas.

O aparente esgotamento do Estado e da democracia representativa não é motivo darmos um golpe, fazermos um remake do fracasso de 1964 ou impormos a piada da volta da monarquia. Desprezo veementemente alternativas conservadoras e reacionárias. Precisamos do futuro e não do passado. Essa é uma oportunidade para fazermos um update de nossa democracia e na maquina pública e torná-la mais condizente com as necessidades de nossa civilização.

È cedo para dizer se ocorrerá uma um avanço da plena democratização da civilização brasileira ou se sofreremos um retrocesso nos parcos direitos conquistados.

Das ultimas vezes que a nação viveu momentos assim, em 1964 e em 1988, muitas foram as perdas. No primeiro tivemos vinte anos de governo autoritário, no segundo margamos uma democratização conservadora.

Isso demonstra que a tendência da nação brasileira para o reacionarismo é grande.

Que dessa vez não seja assim.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s